quinta-feira, 23 de maio de 2013

AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - ENSINO MÉDIO



AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA II –  ENSINO MÉDIO
1) (1,0)Considerando os recursos de coesão e coerência empregados pelo autor, analise os trechos abaixo e assinale a alternativa correta.
A) No trecho: “José de Alencar foi um desses escritores, e o melhor exemplo desse estilo é a obra Iracema, que, embora se apresentasse  como romance, tem todas as características de um longo poema em prosa.”, o segmento destacado está articulado com o que lhe antecede e expressa uma comparação.
B) Com o trecho: “Mas a polêmica entre Alencar e Pinheiro Chagas não foi a única em que autores brasileiros e portugueses se enfrentaram a propósito da linguagem literária.”, que se atrela
aos trechos anteriores por oposição, o autor opera uma mudança na orientação argumentativa do texto.
C) No trecho: “por isso, entenderam a exaltação da natureza como exaltação da natureza tropical, a relação entre o e elaboraram um mito das origens da nacionalidade em que no lugar do cavaleiro medieval aparece o  índio.” segmento destacado e o anterior é de causa e conseqüência.
D) No trecho: “Trata-se de um programa que, por um lado, (...) e, por outro, o engaja numa pesquisa de linguagem que pode levar a resultados
riquíssimos”, o segmento destacado está introduzindo uma explicação.
E) O trecho: “Contudo, a polêmica entre Alencar e Pinheiro Chagas permanece como um marco” está articulado aos anteriores e expressa uma conclusão.

2) (1,0) “Como se sabe, os escritores brasileiros do período romântico interpretaram o ideário de sua escola
literária num contexto criado pela independência política”. O termo destacado nesse trecho tem o mesmo valor sintático-semântico do termo destacado em:
A) Como seria possível prever o que iria acontecer com a língua do Brasil, após a sua Independência política?
B) Não se sabe ao certo como a questão da língua nacional foi tratada antes das ideias revolucionárias dos românticos.
C) No Brasil, assim como em Portugal, as questões lingüísticas foram alvo de reflexões dos autores da literatura.
D) Como não houve apoio significativo às idéias de Alencar, sua obra foi menosprezada até há pouco tempo.
E) José de Alencar contribuiu bastante para a consolidação de uma ‘língua brasileira’, como atestam seus romances.

3) (1,0) Analise as proposições a seguir, acerca de elementos linguísticos utilizados no Texto 1.
1) No trecho: “e elaboraram um mito das origens da nacionalidade em que no lugar do cavaleiro medieval aparece o índio.”, o segmento destacado tem a função de complementar o sentido do verbo ‘aparecer’.
2) “(...) o estilo dessa obra não deixou de provocar reações iradas do outro lado do Atlântico: o filólogo português Pinheiro Chagas fez dele uma avaliação muito depreciativa.” – Nesse trecho, os
dois pontos foram utilizados para introduzir uma citação literal.
3) No trecho: “Logo depois da Independência, surgiu no Brasil a questão de saber em que língua deveria expressar-se a literatura brasileira”, o
segmento destacado cumpre a função de
localizar temporalmente o enunciado.
4) No trecho: “a polêmica entre Alencar e Pinheiro Chagas permanece como um marco, pela lucidez do pensamento de Alencar e por ter lançado a ideia de que a linguagem literária deveria ser construída a partir da linguagem efetivamente usada pelos brasileiros.”, o autor apresenta dois motivos para justificar sua afirmação de que a polêmica entre Alencar e Pinheiro Chagas representa um marco.
Estão corretas:
A) 1, 2, 3 e 4
B) 1 e 2, apenas
C) 2 e 3, apenas
D) 3 e 4, apenas
E) 1 e 4, apenas

4) (1,0) Todo ponto de vista é a vista de um  ponto

Ler significa reler e compreender,  interpretar. Cada um lê com os olhos que tem. E interpreta a partir de onde os pés pisam.
Todo ponto de vista é um ponto. Para entender como alguém lê, é necessário saber como são seus olhos e qual é sua visão de mundo. Isso faz da leitura sempre uma releitura.
A cabeça pensa a partir de onde os pés pisam. Para compreender, é essencial conhecer o lugar social de quem olha. Vale dizer: como alguém vive, com quem convive, que experiências tem, em que trabalha, que desejos alimenta, como assume os dramas da vida e da morte e que esperanças o animam. Isso faz da compreensão sempre uma interpretação.
BOFF, Leonardo. A águia e a galinha. 4ª ed. RJ: Sextante, 1999

A expressão “com os olhos que tem”, no texto, tem o sentido de
(A) enfatizar a leitura.
(B) incentivar a leitura.
(C) individualizar a leitura.
(D) priorizar a leitura.
(E) valorizar a leitura.

5) Canguru
Todo mundo sabe (será?) que canguru vem de uma língua nativa australiana e
quer dizer “Eu Não Sei”. Segundo a lenda, o Capitão Cook, explorador da Austrália, ao ver aquele estranho animal dando saltos de mais de dois metros de altura, perguntou a um nativo como se chamava o dito. O nativo respondeu guugu yimidhirr, em língua local, Gan-guruu, “Eu não sei”. Desconfiado que sou dessas divertidas origens, pesquisei em alguns dicionários etimológicos. Em nenhum dicionário se fala nisso. Só no Aurélio, nossa pequena Bíblia – numa outra versão. dicionário se fala nisso. Só no Aurélio, nossa pequena Bíblia – numa outra versão. Definição precisa encontrei, como quase sempre, em Partridge: Kangarroo; wallaby
As palavras kanga e walla, significando saltar e pular, são acompanhadas pelos sufixos rôo e by, dois sons aborígines da Austrália, significando quadrúpedes. Portanto quadrúpedes puladores e quadrúpedes saltadores.
Quando comuniquei a descoberta a Paulo Rónai, notável linguista e grande
amigo de Aurélio Buarque de Holanda, Paulo gostou de saber da origem “real” do nome canguru. Mas acrescentou: “Que pena. A outra versão é muito mais
bonitinha”. Também acho.
Millôr Fernandes, 26/02/1999, In http://www.gravata.com/millor.
Pode-se inferir do texto que
(A) as descobertas científicas têm de ser comunicadas aos lingüistas.
(B) os dicionários etimológicos guardam a origem das palavras.
(C) os cangurus são quadrúpedes de dois tipos: puladores e saltadores.
(D) o dicionário Aurélio apresenta tendência religiosa.
(E) os nativos desconheciam o significado de canguru.

6) (1,0) RETRATO
Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.
Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.
Eu não dei por esta mudança,
Tão simples, tão certa, tão fácil:
— Em que espelho ficou perdida
a minha face?
Cecília Meireles: poesia, por Darcy Damasceno. Rio de Janeiro: Agir, 1974. p. 19-20.
O tema do texto é
(A) a consciência súbita sobre o envelhecimento.
(B) a decepção por encontrar-se já fragilizada.
(C) a falta de alternativa face ao envelhecimento.
(D) a recordação de uma época de juventude.
(E) a revolta diante do espelho.

7) (1,0) Assinale a alternativa que a função sintática do pronome “se” é reflexiva
a) Vivia-se tranquilamente naquele lugar.
b) Lívia olhou-se no espelho demoradamente.
c) Realizam-se festas de fim de ano.
d) Trata-se de uma boa oferta.
e) Alugavam-se roupas.

8) (1,0) Com relação ao estudo dos casos do “que”, assinale a alternativa que exerce a função de conjunção coordenativa explicativa
a) A verdade é que estamos começando a vida.
b) Quê! Você está ainda no primeiro exercício?
c) O frio era tanto que os dedos ficaram imóveis.
d) Faz que faz e não tem um teto para morar.
e) Não se preocupe que estou bem.

9) (1,0) Assinale a alternativa que a concordância verbal foi empregada corretamente
a) Vende-se casas.
b) Aspiram-se a bons cursos de veterinária.
c) Deviam haver  mais voluntários para trabalhar na alfabetização de adultos.
d) A constelação de estrelas era na verdade um grupo de atrizes famosas.
e) Eu e tu compreenderás que isso é um bom sinal dos tempos.

10) (1,0)Assinale a alternativa que a concordância nominal foi empregada corretamente
a) Eu mesmo faço isso – disse a garota.
b) Neste recinto, é proibido a entrada de pessoas sem documentos.
c) Seguem em anexo as provas corrigidas.
d) Aquele casal tem bastante amigos.
e) Depois do tombo, a mulher levantou meia tonta.
"Podemos escolher o que semear, mas somos obrigados a colher aquilo que plantamos."(Provérbios)
Boa Avaliação!

LEITURA E INTERPRETAÇÃO II - 7º ANO








1) Na tirinha, há traço de humor em:




A.
“Que olhar é esse, Dalila?”

B.
“Olhar de tristeza, mágoa, desilusão...”

C.
“Olhar de apatia, tédio, solidão...”

D.
“Sorte! Pensei que fosse conjuntivite!”


Minha Sombra

De manhã a minha sombra
com meu papagaio e o meu macaco
começam a me arremedar.
E quando eu saio
a minha sombra vai comigo
fazendo o que eu faço
seguindo os meus passos.
Depois é meio-dia.
E a minha sombra fica do tamaninho
de quando eu era menino.
Depois é tardinha.
E a minha sombra tão comprida
brinca de pernas de pau.
Minha sombra, eu só queria
ter o humor que você tem,
ter a sua meninice,
ser igualzinho a você.
E de noite quando escrevo,
fazer como você faz,
como eu fazia em criança:
Minha sombra
você põe a sua mão
por baixo da minha mão,
vai cobrindo o rascunho dos meus poemas
sem saber ler e escrever.
LIMA, Jorge de. Minha Sombra In: Obra Completa. 19. ed.
Rio de Janeiro: José Aguillar Ltda., 1958.

2) De acordo com o texto, a sombra imita o menino



A.
de manhã.
  
B.
ao meio-dia.

C.
à tardinha.

D.
à noite.



Texto I
Cinquenta camundongos, alguns dos quais clones de clones, derrubaram os
obstáculos técnicos à clonagem. Eles foram produzidos por dois cientistas da Universidade do Havaí num estudo considerado revolucionário pela revista britânica “Nature”, uma das mais importantes do mundo. [...]
A notícia de que cientistas da Universidade do Havaí desenvolveram uma técnica eficiente de clonagem fez muitos pesquisadores temerem o uso do método para
clonar seres humanos.
O Globo. Caderno Ciências e Vida. 23 jul. 1998, p. 36.

Texto II
Cientistas dos EUA anunciaram a clonagem de 50 ratos a partir de células de
animais adultos, inclusive de alguns já clonados. Seriam os primeiros clones de clones, segundo estudos publicados na edição de hoje da revista “Nature”. A técnica empregada na pesquisa teria um aproveitamento de embriões — da fertilização ao nascimento — três vezes maior que a técnica utilizada por pesquisadores britânicos para gerar a ovelha Dolly.
Folha de S.Paulo. 1º caderno – Mundo. 03 jul. 1998, p.16.

3) Os dois textos tratam de clonagem. Qual aspecto dessa questão é tratado apenas no texto I?


A.
A divulgação da clonagem de 50 ratos.
 
B.
A referência à eficácia da nova técnica de
clonagem.
  
C.
pode ser conquistado facilmente

D.
A informação acerca dos pesquisadores
envolvidos no experimento.
4) A profecia
1 Caraíbas têm cabeça oca. Deviam ter aprendido muitas lições com o povo filho 2da  terra e não souberam enxergar, nem ouvir, nem sentir. E sofrerão por isso.               3      Dia virá em que ficarão com sede, muita sede, e não terão água pra beber: os rios
4 e lagoas e valos e regatos e até a água da chuva estarão sujos e pobres. E chorarão. E
5 continuarão com sede porque a água do choro é salgada e amarga...
6 O tempo da fome também virá. E a terra estará seca, o chão duro. As sementes 7do  milho e a mandioca não mais nascerão verdes, alimentando a esperança de quarups 8 ao  redor do fogo com muita comida e bebida. A caça e peixe também terão fugido ou
9 morrido. E a fome apertará o estômago do caraíba e ele não poderá comer nem sua
10 riqueza, nem sua terra nua e estéril.
11 Os dias serão sempre mais quentes. E quando o caraíba procurar uma sombra 12como  abrigo, descobrirá que a terra não tem mais árvores.
13 As noites serão escuras e frias. Sem lua, sem estrelas. E sem fogueiras quentes.
14 E o caraíba, o homem branco, chorará. E quando acordar de sua imensa 15estupidez será tarde, muito tarde.
16 Eu, Tamãi, o velho pajé, falei. (ZOTZ, Werner. Apenas um curumim. Rio de Janeiro: Nórdica, 1982.)
4)   Leia:
“Caraíbas têm cabeça oca.” (L. 1)
Com base na leitura do texto, “cabeça oca” quer dizer
a) sem flexibilidade.                                                     b) sem conhecimento.
c) sem medo.                                                               d) sem responsabilidade.

05. Leia o trecho:
“E sofrerão por isso.” (L. 2)
A expressão sublinhada refere-se ao fato de
a) o povo filho da terra não ter mais condições de plantar milho e mandioca.
b) o povo filho da terra não ter mais como pescar e caçar.
c) os caraíbas não terem mais água para beber.
d) os caraíbas não terem aprendido as lições com o povo filho da terra.
06. Com base na leitura, é possível afirmar que o texto “A profecia”
a) informa os vários hábitos de sobrevivência dos caraíbas.
b) narra a história da convivência serena entre os caraíbas e o povo filho da terra.
c) expõe a opinião do pajé, Tamãi, sobre as consequências da ação do homem branco.
d) descreve como o povo filho da terra realiza o quarup ao redor do fogo.
07. No texto, “A profecia,” a previsão dos fatos foi feita
a) pelos caraíbas.                                                   b) pelo velho pajé.
c) por todos – índios e brancos.                             d) pelo autor Werner Zotz.

08. O termo “caraíba” é usado
a) pelos índios para repudiar as ações dos homens brancos.
b) pelos homens brancos ao se referirem aos índios.
c) pelo pajé ao se referir aos homens brancos.
d) pelo pajé ao se referir às ações dos homens brancos.
09. O termo “caraíba “ pode ser classificado gramaticalmente como:
a) adjetivo          b) substantivo               c) verbo                    d) pronome
10. Assinale a alternativa que apresenta uma palavra que está de acordo com a Reforma Ortográfica:
a) Os abaixoassinados foram entregues na prefeitura.
b) Ele está trabalhando numa auto-escola.
c) A feiura passou longe naquele trabalho de pesquisa!
d) O médico receitou um anti inflamatório.

Tudo o que um sonho precisa para ser realizado é alguém que acredite que ele possa ser realizado.Roberto Shinyashiki

sábado, 18 de maio de 2013

BEM -VINDO ou BEM VINDO

O correto é Bem Vindo (sem hífen).



Esta palavra não sofreu alteração com o Novo Acordo Ortográfico.
Existe também o substantivo próprio Benvindo (nome de pessoa).
Com relação ao Novo Acordo Ortográfico:
  • nos compostos  com os advérbios mal e bem quando estes formam uma unidade sintagmática e semântica e o segundo elemento começa por vogal ou H,empregamos o hífen: bem-aventurado,mal-estar,mal-humorado,bem-visto,bem-nascido...